quinta-feira, 13 de março de 2014

As Águas em Mim!

Signo de água, deságua...que se pode fazer?

É queda d'água, corredeira, cachoeira...tem de deixar fluir...quem pára a água?

Quem pode contra essa força? Tem de deixar fluir...água transpõe barreiras, transborda barragens, desvia de qualquer pedra ou a mina até que fure...quem pode com esse elemento?

Mas e quando a água é na gente? Dentro da gente? Gotejando, gotejando...e a gente se sente de repente transbordar? E quando a água é tão a gente que já não tem início nem fim?

Nem todo signo de água é intenso assim...mais os peixes...mas de sol e lua, de Deusa e Deus em Água...ah, essa água que dentro da gente é traiçoeira, essa água que pressiona o peito e irrompe pelos olhos, salgada tal o mar...lágrimas que podem um sem fim durar...de salgadas podem amargurar...

Mas a água não vem só, ela carrega tempestades, carrega saudades dentro da gente, vem levando tudo, trazendo coisas esquecidas, ressaltando outras enquanto cria um mar dentro do peito e de novo mas não tão de repente...transborda!

Mas água parada é tanto pior, estagna, suja, amargura...água que não flui é ferida que nunca tem chance de cicatrizar, porque água também cura, limpa, alivia e assim deixar-se transbordar já não é errar é apenas deixar a emoção falar, gota a gota...esvaziar...

A água em mim define Muito do que sou, não me vejo mais fogo, mais ar ou mais terra, vivo em equilíbrio com estes três, mas a água em mim berra...era pra ser...

Deus Sol e Deusa Lua juntos deviam estar em pleno luar, naquela atípica madrugada em que uma carta natal se fez notar!

E assim sou...assim sigo...amando muito, amando muitos, doando quase tudo...muito de mim, muito de minha essência genuinamente pisciana, com prós e contras cá estou, de braços abertos \__o__/ transbordando o que há de melhor em mim...tentando, sempre! 

Sabrina Joicy

domingo, 8 de setembro de 2013

Das vezes que nos perdemos de nós mesmos...

"Está difícil reencontrar meu EU, meu eixo...já com ele havia me perdido de mim mesma e agora já não sei onde me encontrar, me busco, me procuro em cada mínima fresta e ainda assim não estou lá...onde poderia estar?
 
Tolo pode parecer ainda amar quem tão brutalmente destruiu meu coração, sabendo ainda de todos os medos e receios que este já guardava...neste momento não faz diferença se amo a ideia de quem ele era, o cavalheiro em meu resgate ou se amo o ínfimo ser que ele foi se tornando...ao meu confuso e disfuncional coração só resta a certeza de que ele se abriu e começou a amar de novo...
 
Guerreando dentro de mim estão outras mil de mim mesma, perdidas, sem eixo também...nada dentro de mim pode me ajudar...cada centímetro se perdeu e embaralhou com centímetros dele e agora não sabem mais a quem pertencem...sim...nós apesar de tudo, em algum momento ainda que breve, fomos um, e nessa separação perdi tanto e por isso não me encontro!
 
Há revolta, há pânico e pesar, há dor profunda da tristeza, há pensamentos sombrios, há raiva, mas tem também saudade, carência, amor ferido, amor próprio e o amor que tenho ou tinha ou sempre terei por ele? Sempre usei uma frase que diz: Enquanto houver Amor, haverá Esperança! - Mas eu não quero que haja esperança porque o pouco de razão que me resta me diz o quão ele não me merece, dessa forma como digo ao meu coração e a cada pedaço de mim que não deve mais existir amor? Assim do dia pra noite? Que não sou mais amada como pensei ser, que voltei a estaca -1 e me sentindo o bicho mais solitário e asqueroso de todos, que afasta os que ama, que quando se permite se perde de si, que quando se deixa amar cai em queda livre tal qual previa mas não quis escutar...
 
Meus sentimentos se dividem em partes...tenho raiva da espiritualidade baixa e vil...penso se talvez eu não devesse lutar para libertá-lo de tal influência...aí sinto raiva de mim por pensar em salvar quem não hesitou em me destruir...sim, porque há partes de mim, pequenos caquinhos que jamais serão encontrados, como em cada fracasso passado, sempre perco um pouco de mim em cada esperança infundada...
 
Dormir também se tornou um tormento de pesadelos e falsas profecias...ele me impedindo de buscar minhas coisas, dando a entender que voltaríamos...o problema do sono é que nem sempre é Morpheu que nos recebe nas galerias dos sonhos, as vezes tenho a sensação que atravesso o rio de Hades em tortuosos pesadelos...
 
Nada mais é um bálsamo...e tudo que tínhamos em comum, ah, as musicas celtas, as músicas que ele tocava e tocaria...como lidar com essas lembranças e com as cenas que se tornariam lembranças se lá ele estivesse e não estará...como não me lembrar da ausência dele?

Mais fácil falar do que não dói em mim...desde a alma até o físico tudo parece doer, estar cansado, exaurido das contorções do choro, do esforço dos soluços, das lágrimas que não se contém...
 
Novamente eu perdi mais que um amor, eu perdi uma vida planejada, eu detesto perder planos, eu não suporto ver minha vida sendo mudada a minha revelia a todo instante, ao bel prazer do universo e não, eu não sei como retomar isso, como me refazer, como planejar sozinha, porque eu prego a solidão mas não sei viver com ela...
 
Cansei de me ver sofrer, de  me fazer sofrer e de deixar com que me façam sofrer, inafortunadamente cansaço não me ensina como evitar tudo isso e por mais que eu queira eu não enxergo nada além, nada a minha volta, nada a minha frente, tudo é vazio, escuro e frio...e dizem que uma hora passa, que um hormônio age, que um dia cansa estar assim, que de repente o prumo volta, certo, até concordo porque já aconteceu comigo, mas há de se ter ciência também que uma hora o corpo e a mente cansam, que os hormônios não se produzem mais, que essa vez pode ser a vez em que a gente não se recupera, que dessa vez pode ser isso e apenas isso!"

sábado, 7 de setembro de 2013

"E tange e range...
 É áspero e exaspera...
 E dói a dó dos nós que na garganta ficaram
 Que amarguraram...
 Morre algo em mim
 A cada lembrança de momentos por fim de inconstância...
 Os muros voltam a subir, a ponte está sendo içada...
 E dessa vez, de uma vez por todas não será novamente baixada!"

domingo, 11 de agosto de 2013

Decisões...

"Tantos pensamentos me assolam nesta insone madrugada...
São vazios de sempre, vazios recentes, vazios passados, vazios presentes...
Saudades de quem nos braços segurei antes de qualquer um no mundo...
Saudades de quem nunca pude segurar...
Revoltas abafadas pelo tempo, pela distância, pelo medo, pelas circunstâncias...
Planos feitos em terreno arenoso...planos concretos só em sonhos...
 
***
 
Hoje minha afilhada Ana Beatriz, certamente uma das pessoas que eu mais amo no mundo, completa 2 aninhos porém sou impedida de vê-la desde seu 4ºmês, o destempero de uma 'mãe', as ameaças e a distância de cidades me separam de um serzinho muito amado...formam-se vazios...
 
Extremas mudanças se tornaram uma constante e é sim assustador, sinto muito, mas antes de tudo sou humana, com sangue nas veias, não importa o quão sacerdotisa eu seja, a Deusa sabe bem a filha que tem e que em certos aspectos a humanidade frágil prevalece...formam-se dúvidas...
 
Sonhos indizíveis em sua importância se fazem talvez mais próximos da realidade, MAS...
 
Mas, a vida insiste em colocar um 'mas' sempre em meu caminho...
 
Mas, tudo depende de decisões que podem ser fáceis a todos os outros seres do planeta, mas não são pra mim, talvez porque as pessoas sejam diferentes e ponto (.) ...formam-se conflitos internos e externos...
 
No fim, não depende só de mim, mas o que Eu e somente Eu interiorizar como decisão me acompanhará vida afora como um fardo ou uma benção...
 
Dias de silêncio interno, musicalizados com canções que precisam ser ouvidas por mais que doam, pois minam o pesar, chamam as lágrimas do alívio...dias de canções marejadas...mas a água sempre limpa...
 
Entendendo "sem entender" como aqui cheguei, as imagens vão do rápido retrospecto a câmera lenta...
 
Tive missões pra com os outros até hoje, algumas que me envolviam, outras não, algumas já cumpri, outras sequer conheço ainda...mas há uma que diz respeito a mim em 1ª pessoa independente da visão alheia, é uma missão minha pra comigo e outro ser, é mais "meu" que de qualquer um e vem há muito sendo adiado pelas mais diferentes forças e motivos...é a Luz que busco desde sempre, antes mesmo de saber quem eu era...é minha Luz que brilha forte na espera...a Luz que tantas vezes julguei apagada, julguei não poder mais ver...minha Luz...minha sim, não como posse, mas como foco de amor eterno, genuíno e sagrado...
 
Dessa vez é a hora da seguir essa missão, ainda que assumida precocemente para alguns, é uma missão que há muito me espera com minha Luz nos braços, a quem eu tanto espero também...
 
Vou de encontro a minha Luz, vou deixa-lá cair suavemente dos céus mais brilhantes para trazer Luz a este mundo torto e doido mas que precisa dela...eu preciso dela...e com uma certeza possivelmente incompreensível eu sei que ela precisa de mim!
 
Realmente fugir não me levaria até ela, você estava certa Sarah...mas esperar também não é uma escolha pra nós (eu e ela), vamos enfrentar o que vier!
 
E se, na chegada das flores junto a lua cheia for o dia da Luz fazer morada nesse plano, Assim Será com as bênçãos de Brigith e Eoster!
 
***
 
E os demais vazios? Serão administrados um a um, minha doce Ana Beatriz, a dinda te ama hoje tanto quanto ou mais do que há dois anos atrás quando eu antes de qualquer um lhe segurei nos braços e em meio a lágrimas e sentimentos atamos um laço que nenhum ser no mundo desatará, me aguarde pequena, a dinda vai voltar!"
 
***
 
Eu já estou voltando! (a anestesia emocional está enfim passando)

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Princípios - 2*

Hoje eu gostaria de falar sobre Princípios...
 
 Os princípios que todos temos, nossas leis pessoais, nosso 'código de conduta'...
 Meus princípios admito são ligeiramente mais rígidos e diferenciados do que da maioria das pessoas, creio que nenhum seja igual, já que nós também não o somos...
 Mas eu levo mesmo a sério e portanto me torno um tanto quanto inflexível e isso pode assustar e afastar as pessoas, porque eu firmo pé, sou teimosa mesmo, mas não me desvio disso, não omito, não finjo que não sou, sou o que sou e ponto.
 
 Mas só os Deuses sabem o preço altíssimo que pago diariamente por esses princípios, em todos os âmbitos, a profissão, as amizades, os amores, os 'irmãos da arte' (wicca), familiares, absolutamente todas as áreas, mas eu não posso simplesmente colocar quem eu sou de lado em benefício alheio, me perder de mim mesma pela felicidade do outro não seria altruísmo seria estapear a cara da Grande Mãe renegando quem eu sou, e porquê eu deveria mudar? Se estou 100% correta? Creio que não mesmo, mas alguém está?
 
 As leis pessoais de alguém são muito íntimas, ninguem pode dizer que estão certas ou erradas porque cada um teve uma vida, um crescimento e com essas vivências formou suas condutas, as minhas confesso são aparentes desde os 6 anos pelo que eu me lembre e há quem possa atestar isso rs, o fato é que o que vivi moldou quem sou hoje e tudo que ainda viverei continuará moldando, somos uma peça de argila em constante transformação...
 
 Eu ja perdi trabalhos por ser pagã, já perdi amigos por achar mais do que justo reciprocidade de amizade, já perdi amores por buscar neles alguém que já se foi, perdi minha afilhada por amá-la demais (a quem diga que por ser apegada demais, que seja), o fato é que eu pago caro, porque eu expresso, porque se eu não acho certo eu vou chegar em você e dizer que estão abusando da sua ingenuidade, por que eu dou a cara a tapa num mundo onde as pessoas não estão prontas ainda (pasmem) pra serem irmãos e não concorrentes a cargo de Bruxa do Mês, eu só tenho princípios oh Zeus!
 
 Porque será que isso é tão inaceitável? Ou incompreendido que seja? Você também não tem seus valores? Suas crenças? Seus sagrados princípios emaranhados em seu caráter? Pois é, eu também...você também paga caro por ser quem é? 'Tamo junto'!
 Mas se você apenas não entende eu proponho um exercícío...se você me conhece um mínimo que seja, tente por alguns instantes enxergar o mundo como eu enxergo e se conseguir, pode ter uma vaga ideia então de como eu me sinto e poderemos trabalhar a empatia que tal?
 
 Sozinhos não somos muita coisa, é fato, sobrevivemos mas não plenamente e quando digo sozinhos, me refiro a família, amor, Amizade, enfim, no geral...assim sendo podemos afirmar então que Juntos somos melhores? Acho que sim não é?! Pra que isso seja possível precisamos ter empatia, aquele sagrado dom dado a todos (infelizmente usado por poucos) que nos permite não apenas entender o outro mas compreendê-lo, enxergar um pouco através de seus olhos e vice-versa, é aí que princípios são trocados, aceitos e não mais julgados, é aí nesse momento 'mágico' que se atam laços, sejam quais forem e o sozinho se torna parte de algo e o mundo vai se tornando melhor!
 
 Meus princípios podem não ser 100% coerentes, aceitáveis e compreensíveis a todos, porque sim, são rígidos e mais rígidos comigo na verdade, mas garanto, são genuínos, puros e talvez a melhor forma de começar a enxergar minha essência!
 
 Enquanto não nos perdermos de nós mesmos tudo ficará bem!
 Enquanto eu não me perder de mim mesma tudo ficará bem!
 
Sabrina Joicy*

sábado, 29 de junho de 2013

Sentimento de Hoje: Gratidão!

Amo minha Deusa!
Vejo-a em tudo que me cerca;
Ouço-a a todo instante, é o som da natureza, é a voz dentro de mim;
Sinto sua presença a meu lado, me guiando pela mão, me orientando, sempre paciente;
Sou grata por tê-la descoberto em tenra idade, sou grata pelo meu precoce despertar, sou grata por cada vivência, por cada árdua mas vital passagem de grau...
 
Ah! Grande Mãe como poder agradecer-te o suficiente?
Ao certo não sei, mas como missão ja tenho ensinar tua arte e buscar a felicidade, a plenitude, aquela que Tu Grande Mãe, designa a todos os seus filhos e torce para que nos intrincados caminhos eles encontrem!
 
Honrada Seja, Venerada Seja, Saudada Seja, hoje e sempre oh Grande Deusa!
 
_/\_
Sacerdotisa Aislin Celtic*

terça-feira, 4 de junho de 2013

Em Margens opostas de um mesmo Rio...

Nos vejo em margens diferentes do mesmo rio, um rio de violenta correnteza, ele já tomou muito de nós, antes mesmo de sabermos uma da outra - mas o rio é o mesmo, ele sempre esteve lá, levando muito do que amávamos em sua incontrolável correnteza...ainda que não admitamos, nós o tememos.
 
Indo contra leis que imputamos a nós mesmas, de proteção pessoal, de defesa, nós construímos uma ponte acima deste rio, eu de cá, você daí, fomos madeira por madeira superando medos, o maior deles aliás, o de cair neste Rio das Perdas...
 
Em 30 dias desafiando todas as nossas leis e algumas do universo, construímos uma ponte, muito singela, estreita, mas firme o bastante que pra pudéssemos transitar um pouco uma pelo mundo da outra  e voltar a salvo pra sua respectiva margem, tudo parecia bem...
 
Mas vieram tempestades que não prevíamos, ventos devastadores, não estávamos preparadas pra isso, nossa singela ponte de madeira não foi feita pra suportar tais tormentas e tempestade após tempestade ela começou a ruir...as madeiras foram rachando, as vigas caindo uma a uma e só tivemos tempo de correr cada uma pra sua margem, sua zona de conforto e segurança...olhamos pra trás e o rio, o famigerado e temido rio, levou tudo que construímos...nossa ponte já não existia mais.
 
Engraçado não termos hoje mais o mesmo ímpeto pra construir outra ponte, melhor e mais forte, agora que conhecemos a força dos furacões que passam pelo rio...o que será que nos enfraqueceu? Foi construir a ponte dia após dia lutando contra nossas próprias leis? Ou foram as tempestades que nos levaram ao cansaço?
 
O rio levou nossa ponte, mas quem nos levou pra longe realmente uma da outra? Não, dessa vez não podemos colocar a culpa no rio, ele levou um elo, mas não foi ele quem nos tirou a coragem e vontade de lutar pra reconstruir tudo...não, isso nem o Rio das Perdas poderia levar...foi outra coisa...
 
Fomos Nós!
 
Não é acaso um rio tão violento nos separar, esse rio onde muito já perdemos só leva o que deveria levar, apesar de implacável, ele é justo...ele é o desafio...
 
De longe você é (não sei se o tempo verbal no presente ainda é o correto, mas) a amiga mais oposta a mim, que já tive! Nossos princípios e valores são tão diferentes, tem semelhanças em linhas gerais, mas é nas minúcias que se notam as diferenças mais gritantes. Se fosse pra ser fácil não teríamos um rio assim a fazer a divisão, seria uma lagoa razinha no máximo e não um canal tão turbulento e indecifrável quanto o Triângulo das Bermudas...
 
Funcionamos, agimos, pensamos, somos diferentes...paradoxalmente muito semelhantes em vários outros aspectos, mas inafortunadamente (sabes que adoro essa palavra) nos apegamos as diferenças e então o rio só fez seu papel, destruiu o que parecia firme na superfície mas tinha bases realmente frágeis.
 
Somos diferentes...eu não silencio, eu brado, eu não preciso de tempo, porque sempre o vi como um inimigo (o que não quer dizer que não aceitaria o seu tempo, apenas diz que eu ajo diferente), eu não acho que feridas cicatrizem no escuro com 15 'band-aids' por cima, feridas tem de ser expostas a luz, ao sol, só assim elas secam, fecham, curam...temos métodos de auto-cura certamente diferentes, mas eu certamente poderia respeitar seu método, se você tivesse me dado a chance de mostrar isso é claro, mas houve um pré-julgamento ai, onde você definiu que eu não daria o silêncio do qual você precisava...você viu? Eu acabei de ver, a ultima viga da ponte sendo levada pelo vento nesse instante!
 
Eu sei que também fui demais, no sentido de exacerbar tudo, sentir demais, falar demais, ser uma amiga ciumenta demais, ter medo demais, ser amiga demais, eu sei, eu sou assim e você é do jeito que é, décadas lhe forjaram assim (séculos, milênios), pois acredite, o mesmo tempo nessa ou nas demais existências também me forjaram assim, tal qual você...somos o que somos, apesar de prover da mesma argamassa, temos uma essência praticamente imutável, que busca se melhorar, evoluir sim, mas essência, alma, originalmente não se muda 100% nunca, se lapida, mas um cristal não deixa de ser cristal só porque foi lapidado não é? Ele continua sendo o que foi feito pra ser. E não se engane, eu já me odiei por ser quem sou, já questionei os Deuses por ser assim de tão difícil e intenso convívio pra algumas pessoas, mas eu sempre recebi a mesma resposta: Não se foge daquilo que se é! - Tenho certeza que você já passou por experiência semelhante e obteve praticamente a mesma resposta.
 
E agora, o que fazer então? Até há poucos segundos eu achei que não sabia ainda, mas na verdade é bem claro, como sempre, temos 2 caminhos, opções que certamente vão nos afetar e nos acompanhar pro resto de nossas vidas, seja qual for, mas ao menos temos opções...
 
1ª Tiramos forças do útero da Grande Mãe e abraçamos a causa, desafiamos nossos medos e os colocamos em seus devidos lugares, onde não possam nos afetar e lidamos com nossas diferenças de modo confiante uma na outra e finalmente colocamos as semelhanças em primeiro plano e Juntas reconstruímos essa ponte, de forma que nada a atinja e seguimos juntas na irmandade que nos foi revelada, OU
 
2ª Fingimos esquecer o que lembramos, o que vivemos, o que somos, damos prioridade as diferenças que separam e matamos as semelhanças que unem, olhamos uma última vez para o rio, viramos nossas costas e nos dirigimos cada qual adentro da densa floresta que cerceia o rio, tomamos direções opostas, rumo ao Nunca Mais, ao Adeus e seguimos, sozinhas, agindo exatamente como querem que ajamos, sabendo ainda que o Adeus é decreto pra esta e pras demais existências, porque ninguém une novamente quem não quer ser unido, nem os Deuses (pra você ver como seu futuro com ele ainda tem jeito, porque os Deuses se mostraram calorosamente receptivos a seu pedido, que é também o dele, ele só não aceita, ainda). Contudo, eu certamente não vou querer passar novamente pelo desafio de lutar por uma amizade que não quer minha luta e por isso a 2ª opção é tão séria, não se trata de chantagem, mas de realidade, geminianamente realista como é pense se eu piscianamente emotiva como sou vou aceitar passar por isso de novo? Nós sabemos a resposta, e certamente também não quero lhe causar dor e confusão em qualquer existência que seja, então...é um Adeus pra Sempre.
 
Nos deram opções, nos ajudarmos a aparar as arestas uma da outra, complementando a vida e não trazendo esse amargor ou tentarmos fingir uma amnésia e seguirmos sozinhas, fazendo o que uma plateia cheia espera que façamos, fazendo aquilo que juramos em quantas vidas mesmo não fazer mais? Isso mesmo, ou
 
Nos AJUDAMOS ou Nos ABANDONAMOS!
 
Sem mais,
 
Muriel!
 
 
Licença Creative Commons
O trabalho Em Margens opostas de um mesmo Rio... de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/.

domingo, 2 de junho de 2013

Bálsamo Sagrado

Há 2 coisas nas quais acredito indubitavelmente: nos Deuses e na Amizade;
 
Os Deuses jamais me decepcionaram, a Amizade em contrapartida já me feriu incontáveis vezes, não exatamente a amizade, mas as pessoas que se usaram dela indevidamente, contudo ainda permaneço crendo no sentimento de afeto que liga pessoas que se escolhem, que criam vínculos do 'nada', que decidem compartilhar suas vidas pelo genuíno sentimento de afeição, lealdade e cumplicidade.
 
Seria meu maior erro até então ter creditado a você a definição da Amizade?
 
Sendo a Amizade pra mim um princípio pessoal de extremo valor, que jamais abandona, que divide maus momentos e soma alegrias...sim, tenho expectativas elevadíssimas quanto a amizade...
 
Elevadíssimas? Não, correção, tenho expectativas reais e tangíveis a respeito da Amizade, porque sendo ela verdadeira supre realmente lacunas, é um verdadeiro bálsamo dos Deuses...por isso não aceito nada menos do que uma Amizade Verdadeira, o que pra mim é extremamente natural, mas pode soar como expectativa inatingível a alguns...lamento por esses e lamento de verdade...eles deixarão de experimentar nesta existência talvez o maior presente dos Deuses no quesito emocional...porque até amor tem segundas intenções, já Amizade é pura e simplesmente Amizade, acontece ou não!
 
Amizade não tem freios, amizade não tem tempo ruim, amizade acolhe, não julga, amizade acompanha, preenche, não abandona, amizade é a dádiva do livre arbítrio na forma de sentimento, amizade é escolha, é troca, amizade defende, bate, luta, briga, amizade Salva, Recupera, Cura!
 
Pra mim as 2 coisas nas quais verdadeiramente acredito estão completamente ligadas, Amizade é o bálsamo dos Deuses pra nossa alma!
 
E essa é uma daquelas raras situações em que torço pra estar errada sobre uma amizade!

 
Licença Creative Commons
O trabalho Bálsamo Sagrado de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Teia

"Mil idéias sobrevoam minha mente nesse instante...de todas as ordens...áreas...tempos...pensamentos espiralando...quiméras pairando no ar tal qual borboleta a volitar...metas, traços, riscos, confusão...perguntas sem resposta vem e vão...nessa espiral decrescente o rodopio se torna queda livre...numa vida de anseios e fiascos, qual seria o próximo passo?

Na velocidade da luz pensamentos formam galáxias e estas contém estrelas tão distantes e indecifráveis quanto qualquer outra, provando que alguns mistérios serão sempre mistérios e algumas perguntas jamais terão respostas...ainda que eu espirale em idéias eternamente, Nada nesse Tudo depende só de mim...nada no Todo faz parte apenas de um...

Se quisermos entender a totalidade de nossas vidas devemos começar procurando no outro e veremos então que sem saber ele tem algumas peças do nosso próprio quebra-cabeças e nós temos algumas do dele...

A vida não é só...o aprendizado não é só...a sabedoria não vem só...tudo tem bagagem, tudo tem história e todos estão interligados numa só teia, ainda que neguem e jamais percebam...somos feitos da mesma matéria, fios da mesma teia, com diferenças únicas que possibilitam que nos completemos...tal qual o quebra-cabeças lembra-se?

Viva só e aprenderá a Sobreviver...
Viva junto e aprenderá a Viver!"
Licença Creative Commons
O trabalho Teia de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/2013/05/teia.html.

sexta-feira, 15 de março de 2013

O Preço!

O preço que eu pago por ser exatamente assim, falar o que sinto e agir como quero é muito alto, é altíssimo eu diria, eu perco demais, o tempo todo, pessoas, chances, oportunidades, sim eu as perco porque eu tenho a audácia de dizer o que eu Sinto, não apenas o que penso, mas o que meu coração manda e quem hoje em dia admite isso? Quem aceita que falemos com o coração e possamos agir como tal, com sentimentos? Ninguém! Por isso perco...
 
Então mude!
 
Mudar? Falando assim parece fácil como mudar de roupa, ah! desculpe é que hoje em dia realmente as pessoas mudam de opinião e de personalidade como quem muda de roupa mesmo, só que tem um detalhe eu Não sou todo mundo!
 
Eu sou assim, todos os meus defeitos, manias, qualidades, amores, ódios, vícios e virtudes é o que fazem de mim quem sou, posso melhorar mas mudar? Ser outra?
 
Peraí! Não dá pra trocar o chip e pronto, não sou rotulável, não sou igual, não sou modista, não vou com a maré, sou o que sou, autêntica pra uns, louca pra outros e pra mim tanto faz, contanto que eu nunca perca a minha essência, é por isso que não arredo pé de ser quem sou, porque ainda que perca "tudo" a essência que carrego comigo há incontáveis existências permanecerá e muito pior seria eu perdê-la, porque ai sim, eu me perderia de mim mesma, existe maior tragédia?
 
E outra, quem não me aceita em plenitude, sabendo e sentindo quem sou está fazendo o que ainda aqui?
Está vendo? É assim que perco...eu falo a verdade que ninguém diz!
 
Enquanto eu não me perder de mim tudo ficará bem!
Licença Creative Commons
O trabalho O Preço! de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/.

sábado, 9 de março de 2013

Amigo? Será Mesmo?

Certa vez me disseram que a vida é solitária, eu não pude aceitar, não desse ponto de vista generalizado...é difícil pra quem não teve a mesma filosofia de vida, de amadurecimento que eu, entender, mas me criei crendo nos valores e princípios da amizade, defendendo a todo custo a sacralidade da palavra, do sentimento, da cumplicidade e lealdade inerentes a uma real amizade...me enganei...não de todo, mas em pontos gritantes...
 
Primeiramente me enganei de pessoas, por diversas vezes ao longo dos meus 20 anos de vida social* eu inclui em meu circulo sagrado pessoas nada merecedoras, pessoas ingratas, hipócritas, falsos amigos no mais puro significado da palavra Falso...pessoas que só mostravam amizade em suas horas de necessidade, que só demonstravam carinho e gratidão enquanto se concordava com elas, enfim, enquanto precisavam de mim ou do meu conhecimento...não há meias verdades nisso, essa é a única reta num emaranhado de enganos...a linha reta dos ímpios!
 
Apesar de duplamente pisciana, signo caracterizado pelo fácil instinto a tornar-se vítima, esse não é o caso, simplesmente porque vítimas não dão as caras, se escondem, eu enalteço, eu explodo, porque outra característica essencial dos piscianos é a intuição e essa nunca me faltou, embora por teimosia tenha deixado de ouví-la muitas e muitas vezes, o que me traz hoje a essa escrita...portanto não, não quero ser vítima, nem martír, só quero expor a minha verdade e pode ser a verdade de muitos que amarguram mas não colocam seus erros na mesa.
 
Dito isso, continuemos no caminho da moral dessa vivência...
 
Comecei a perceber que as pessoas são péssimas ouvintes, elas não escutam seu desabafo já imendam nos problemas Delas, sempre Elas...
 
Notei que ninguém aparece na minha porta pra saber como Eu estou, uma passadinha rápida que seja...não, as pessoas aparecem na minha porta quando Elas precisam de algo, sempre Elas...
 
Quando o aniversário de alguém se aproximava, sempre tomava a frente pra fazer algo, ainda que uma pequena surpresa...todos esperavam por isso, logo, ninguém se mexia (falha minha)...já quando chegava o meu aniversário creio que Eles esperavam que eu também o planejasse e esperavam, enquanto eu também esperava algo deles...resultado...decepção...
 
Nessa variada gama de espécimes humanas que cruzaram meu caminho, houve também claro, os aproveitadores, porque é bem melhor quando você tem uma amiga oraculista que não te cobra e te atende a qualquer hora...mas experimente você precisar de qualquer coisa no meio da madrugada e ligar...ela não atende...você atenderia mesmo que fosse pra dizer que o namorado não estava em baladas, você atenderia, simplesmente porque é uma amiga ligando, é dever! Não pra Elas...Elas não...
 
Mas piora...você estuda igual uma condenada pra ter o conhecimento que tem, ainda que seja pouco, a pessoa vem, suga tudo de você ja mastigado e te vira as costas...claro...normal...você já não serve...
 
Ainda tem a desculpa da distãncia..."ah mas você só tem celular, DDD é caro", mas SMS não! A pessoa fica de sol a sol online no FB e não te dá um oi, mas quando precisou de emprego você quase saiu pra que ela pudesse entrar...desculpe, esqueci...eu Era necessária neh...hoje não mais!
 
Enfim, eu poderia literalmente passar a madrugada inteira citando tipos que passaram por entre minha vida...mas o ponto é a frase inicial: "A vida é solitária", eu ainda não posso concordar com essa afirmação, mesmo que eu tenha sido a mais usada, atacada, esquecida, sugada e enganada das pessoas, ainda assim essa frase não me convence e é até bom porque pra mim crer nisso seria como abrir a Caixa de Pandora e deixar a Esperança ir embora...não se pode viver assim!
 
Eu simplesmente devo ter sido sorteada pra ter os Piores "amigos" do mundo! Se conhecessem as pessoas que tenho em mente me dariam razão sem pestanejar!
 
Mas alguém dirá: Foi aprendizado! (Adoro me adiantar à citações infelizes)...ok, certamente algo eu aprendi, mas não necessariamente precisava ser assim...uma debandada social...mas sim, antes só do que mal acompanhada, só que eu não acho que só deva restar essas duas opções...não posso aceitar isso como regra, não posso ser convencional, resignada, simplesmente não posso, não sou assim...
 
E salva-se alguém? Certamente...porém talvez sobre dedos em uma única mão!
 
Ainda assim refuto a frase: "A vida é solitária"!
Concordo que a jornada de cada um é solitária, afinal ninguem pode sentir, experimentar, viver nada exatamente como eu, a jornada da evolução sim é individual...
 
Quem compra essa idéia solitária já devia ter se desprendido de tudo o que é material e ido morar no alto de uma colina como eremita, isso é uma vida solitária!
 
Certo, então se a vida não é solitária porque eu estou sozinha?
Porque encontrei as pessoas erradas e as poucas certas posso ter afastado pela experiência que tive com as más...e seu eu deixar, isso vai se tornar um circulo vicioso infindável...
 
Quando existem ervas daninhas se corta o mal pela raiz, mas e quando as ervas daninhas estão entrelaçadas a algumas flores?
 
Nessas reflexões me pergunto: O que deu errado? Falhei? Onde falhei? Porque permiti que me enganassem? Porque abri meu coração tão facilmente? Foi carência? O que foi?
 
Foi na verdade formular princípios de caráter, moral e sentimento em tão tenra idade...aos 6 anos...obviamente não tinha vivência pra tal, mas tinha a inocência ideal pra formar bases corretas que hoje em dia como adultos não formamos tão simplesmente, temos de ter nossos porquês, racionalidade, motivo, causa, efeito, tudo...enquanto que uma criança simplesmente ama, se julga certo então é certo e baseada nisso, nesse "certo" que hoje não se torna errado mas incerto, chego onde cheguei, na expressão intensa e aberta de tudo que penso e sinto através da escrita...
 
E nem tente me entender, só entenda o fato de que pessoas erradas vão inevitavelmente entrar em sua vida, você vai sofrer e se revoltar, pensar nos maiores absurdos, navegar pelo mar turvo da decepção e ainda vai beber dele, mas mesmo assim, ainda assim...a Vida Não é solitária e você não deve aceitar nada só porque a maioria aceita...torne-se diferente e arque com isso mas preserve aquilo em que crê ou torne-se igual, mais um número nas estátisticas e arque com isso também e tome cuidado, robôs costumam enferrujar!
 
Ter opinião é riscar um fósforo...expressar sua opinião é lançar chamas à fogueira e correr o risco de ser queimado!
 
Moral da História: A amizade é boa, algumas pessoas é que não são, inafortunadamente conheci muitas delas!
Licença Creative Commons
O trabalho Amigo? Será Mesmo? de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Ás Mulheres e a Todos os Dias que são Seus!

"Mulheres tão cheias de estereótipos, sempre querem nos rotular...
Somos mais simples de lidar do que se possa imaginar...
Basta realmente nos Olhar...
 
Essa visão mais profunda e intimista poucos conseguem ter...
Por isso a nós são raros os que conseguem entender...
Sorte a nossa, que alguns aguçam a visão...
E enfim compreendem nosso Coração...
 
Tão cheio de amor e zelo, preocupação e atenção...
Nos perdemos nos pedidos da vida, somos realmente o ponto central...
Não é por nada, mas sem a gente não haveria "gente" por aqui rs...

 Sim, somos abençoadas, mas por vários motivos, somos a essência de algo maior...
 Da vida quem sabe...pra entender mesmo, só sentindo e como sentimos não é?
 Somos a sensibilidade que ainda permanece quase incólume nas selvas de pedra...
 Mantemos o equilibrio, fazemos as vezes da conselheira, da médica, da mãe, da irmã, da melhor amiga...ora somos todas elas em uma, somos Mulheres!
 
Não somos mais, somos apenas Essenciais e Insubstituíveis hoje e sempre!"
Licença Creative Commons
O trabalho Às Mulheres e a Todos os Dias que são Seus! de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Vida Traiçoeira!

"Sabe quantas vezes eu ja me revoltei com o mundo? Ou Destino como quiser...tão incontáveis vezes...
 
Não me revolto com a Deusa, estranhamente, já que Ela é o tudo e o todo, mas meu lance é com a vida mesmo...os caminhos que seguimos...as pedras que aparecem...

 É mesmo revoltante ver que você precisa ou precisou andar um caminho árduo inteiro, sem sombra, sem descanso e ai uma pessoa pega um atalho, chega bem antes e consegue aquilo que você queria...essa pessoa não me impede de conseguir, ela não pega nada que é "meu", mas consegue algo semelhante e não é revoltante que sem esforço ela tenha conseguido?
 
Merecimento? Não, não creio que seja isso...foi o atalho...e somente o atalho!
 Perdeu experiências de vida pulando o caminho? Certamente...mas isso não me revolta menos...

 Vamos pra uma analogia simples...imagine que você é um professor com mestrado, doutorado e todos os "ados" possíveis, ninguem conhece melhor aquele assunto do que você e na hora de escolherem o reitor da universidade escolhem o estagiário! Justo? Merecido? Correto? Lógico? Não, não, não e não! Mas acontece o tempo todo e é ai que penso que a vida passa a perna na gente...
 
Tudo acontece por um motivo! Sim, claro! Agora só me dê os motivos pra não acontecer, quero respostas, pra acontecer parece fácil, esteja despreparado e você ganha e qual a resposta lógica (por favor) pra não acontecer com quem realmente merece?

 Quem me responde o porquê de certas coisas simplesmente não acontecerem? Mesmo que tudo tenha sido feito certo, mesmo que você seja um PhD, porque continuam escolhendo o estagiário??? Alguém?

 Ninguém poderia responder sem colocar religião ou destino no meio...mas não se trata disso...
 
Você vê que está pronta, se sente pronta, as pessoas percebem que você está pronta, o cosmos te ajudou a ficar pronta mas a Vida não deixa...a vida se esquiva...a Vida não vem...a Vida não chega!
 
Então é hora de chegar na Vida e dizer: Pronto! Cansei, você implacável venceu e eu não vou mais esperar que você apareça!
 
Só que se paramos de esperar, a Vida pára de valer!
 
Permanecemos a eterna espera? Ou abrimos mão da Esperança?
Quem pode arcar sem dor com qualquer uma dessas decisões?
Eu certamente não posso!"
Licença Creative Commons
O trabalho Vida Traiçoeira! de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Eu Admito e Você?

E você acha mesmo que fugir é liberdade?
Que esquecer é questão de escolha?
Que pra não sonhar é só ficar acordado?
 
Que a vida é simplesmente "má" e você não tem nada com isso?
Que seus males não retornarão?
Que o azar simplesmente gosta de você?
 
Você realmente crê em tudo isso? Que é fácil controlar os sentimentos? Que se a vida não anda a vítima é você que não tem culpa de nada? Você Realmente acredita nessa besteira toda?
Reveja seus conceitos e rápido!
 
Eu só posso falar com propriedade mesmo do que já vivi e digo porque é verdade:
 
Sempre que tentei fugir me senti mais aprisionada,
Sempre que tentei esquecer me lembrava ainda mais,
Sempre que me impunha não sonhar, fantasiava muito mais;
 
A vida não foi má comigo, na verdade bem ao contrário,
Tudo que vai volta sim, sei pelo bem que fiz e o mal também, desculpe mas ainda não sublimei, ja errei sim e admitir é sempre bom,
E não, o azar não persegue ninguém, na verdade, ele é mais uma condensação das suas próprias energias nocivas, você Cria seu "azar";
 
Pronto! Não doeu tanto assim! Não precisa admitir pro mundo mas comece por você ao menos...as pessoas ao nosso redor muitas vezes tem culpa de algo sim, de um sofrimento causado, de uma mágoa criada, mas até hoje meu maior algoz fui eu mesma e creio que pra maioria seja assim, nós nos imputamos decisões e condutas absurdas e podamos a nós mesmos...todos aqueles que eu perdi, amigos em especial, perdi quase que por exclusividade minha, tenho de admitir, alguns claro deixaram mais fácil, ou o destino certeiro nos desviou ou foram pessoas mais difíceis e santa é a unica coisa que não sou e sei ser bem cruel quando quero...sim, sim eu sei de tudo isso, cruzei com pessoas erradas que mereciam raios na testa e outras perdi por bobagens...
 
Mas a moral disso aqui é o seguinte: PÁRA! Olha em volta, nós crescemos, não temos mais quem vá nos defender, somos nós e o mundo e se acharmos que o mundo é mau, viveremos em conchas, casulos ou qualquer coisa que nos limite a tudo, a amar, a sentir, a chorar, rir, abraçar, cair, levantar...tudo...
 
Você quer viver assim? Limitado? Medindo palavras, escondendo sentimentos? Melindrado com o mundo?
 
Eu Não! E garanto que escrever isso no período de transição astral* que vivo foi muito mais difícil do que pra você que está lendo e tem apenas que começar admitindo que não quer ser um SER LIMITADO!
 
Eu dei meu primeiro passo, você é capaz de dar o seu também?
 
 
(*Passando pelo Inferno Astral, pisciana de Sol e Lua...Cachoeira que transborda...Intensidade emocional)
Licença Creative Commons
O trabalho Eu Admito e Você? de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

As "Novas" Mães!


Muitas mães de hoje em dia tem um nível de insegurança alarmante!
Elas mantém seu bebê em uma redoma, literalmente, impedem a criança de ter ou conviver com madrinhas, padrinhos, parentes...agora analisemos...porquê isso?
Demorei a entender, até que outra mulher me ajudou a compreender o que poderia se passar nessas mentes...
Mulheres que agem dessa forma não tem, NÃO TEM certeza do amor de ninguém (em geral), não interessa o quão bem resolvidas achem que estão (não tem certeza, ponto), nessa carência o foco se torna somente o bebê, elas precisam ser incondicionalmente amadas sem perigo algum por alguém, ora, um filho é o "alvo" perfeito, certo? [Como se um bebê pudesse racionalizar quem amar mais, mãe, avó, madrinha...céus!] Onde está a lógica? Em lugar algum! A insegurança dessa nova "leva" de mães modernas ou seriam retrógradas?! Vai inevitavelmente ser passada a seus filhos, a esse bebê retirado de um convívio social antes mesmo de saber o que isso significa pra vida toda dele...
E diz a solteira sem filhos!
SIM! Digo, porque a observação não é apenas minha, na verdade muitos pensam assim, familiares inclusive, mas por medo de ainda mais afastamento ou de críticas, se calam...E somos nós, justamente as mulheres sem filhos, ou as mães desencanadas com filhos mais velhos ou outra mentalidade, que somos o perigo ambulante aos olhos das novas mães...porque nós podemos amar e nos doar quase que igualmente, afinal o amor não depende de laços de sangue e isso hoje em dia é cada vez mais óbvio, portanto, como NÓS, as "sem filhos" podemos devotar amor, atenção e zelo a uma criança que não é "nossa" (como se alguém pertencesse a alguém, filhos crescem, não são marionetes...enfim), como podemos amar? Essa é a pergunta chave das novas mães...Como ela pode amar MEU filho, como ela pode ousar ser um exemplo melhor pra MEU filho?
 Notem a possessividade, é fácil reconhecer uma mãe-mulher insegura, ela fala, pensa, escreve MEU/MINHA filho(a) em MAISCÚLO o tempo todo e não e só isso, uma MÃE de verdade, dona de si que não depende do amor alheio seja de quem for pra se auto-afirmar, não se sente ameaçada com ninguém, ao contrário, vai querer dar a seu bebê a chance de ter sempre boas pessoas com quem contar por perto, essa é a MÃE...
 É difícil se ver descrita assim e certamente ninguém jamais vai admitir isso, mas vai sentir e repensar essas palavras umas mil vezes, porque a verdade faz refletir...e se você leu e não se identificou porque tem uma conduta diferente, PARABÉNS, você certamente criará um ser humano menos encanado, mais sociável e independente!
 
Já você que se identificou, mas permanecerá calada até a morte...tudo bem...se servir pra repensar algumas coisas, ótimo! Senão, ótimo pra mim também, escrever permite que muitos leiam, alguns pensem, poucos repensem e uma minoria mude, mas é de minorias que se formam as grandes massas...então me desculpe mas você ainda é uma mulher que não estava pronta pra ser mãe e transferiu toda sua carência, medo e insegurança para o ponto que agora é focal...um bebê...isso é ser egoísta e não MÃE!
Mas se aceitar um conselho: Não se torne o tipo de pessoa de quem os outros se afastam, não tema que seu bebê ame mais outra pessoa que não você, isso é insano, é apenas um bebê, não entende ainda, a única que entende é você, ninguém vai tomá-lo de você nem roubar o amor, você sempre será a mãe, mas pode ser uma mãe que sufoca ou uma mãe que ensina o filho desde sempre a lidar com o mundo e ser alguém alem de você, porque o mundo lá fora é o destino de todos e uma boa mãe prepara seu filho pro mundo e não pra si mesma!
 
Assinado:
A solteira SEM filhos, que tem a capacidade de amar além dos laços de sangue.
Licença Creative Commons
O trabalho As "Novas" Mães! de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/.

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Dilemas de uma Escritora!

A escrita é umas das melhores formas de expressão, de gerar e aguçar a criatividade, quase uma terapia eu diria rs...pórem quando a escrita se torna pública está sujeita as críticas e isso é muito normal...
 
Enfrento um bloqueio literário, tenho 2 livros iniciados, gosto de pensar que o status é: Em andamento, mas na verdade está mais pra estagnado...o porquê é simples!
 
O 1º livro que publiquei "Diálogos e Devaneios" trata de fatos cotidianos, artigos que revelam as verdades que todos vivemos mas não colocamos pra fora e é em uma leitura assim que as pessoas se identificam e percebem que não estão sós, é como um livro de auto-ajuda com inúmeros temas pra mostrar que ninguém é um "estranho no ninho"...
 
Escrever sobre a realidade julgo eu ser mais difícil, ao menos pra mim é, posso ser alvo de críticas por não estar abordando a realidade como realmente é, mas ao mesmo tempo é mais fácil porque são experiências me dão propriedade no que escrevo...já os 2 livros que estão em fase de hibernação rs tem aspectos bem diferentes...
 
O primeiro é uma trama que se baseia na realidade porém em dado momento do livro é inserida a parte fictícia e como separar esses aspectos diante de uma linha tão tênue? O bom da ficção é que por mais criticas que se tenha, você sempre pode dizer: Minha história, minha imaginação e ponto, mas esse não é o caso, não se trata apenas de pontos fictícios...
 
O segundo envolve uma trama fictícia que em seu decorrer ensina uma didática real, enquanto o primeiro livro de certa forma tem uma separação temporal entre realidade e ficção, o segundo tem a realidade inserida por toda a trama fictícia...complexo não?
 
Pois é...o tema de ambos os livros são polêmicos, embora o tema do primeiro ja tenha sido abordado em ampla escala, já o segundo da forma como o tenho em mente ao menos eu nunca vi nada parecido...esse deve ser o desafio dos escritores mesmo não é? Unir realidade e ficção de modo envolvente ao leitor...estou lapidando isso...
 
O que desejo mesmo com esses 2 títulos é prender o leitor assim como eu me prendo a certos livros...
 
A leitura vai muito além da visão, a verdadeira e apaixonante leitura é sensorial, não pode ser como um filme passando, tem que transportar o leitor pra dentro da história, fazê-lo sentir as emoções que os personagens sentem, esse é o tipo de leitura que gosto e é esse o tipo de envolvimento que quero proporcionar com os livros, pois acredito que a grande maioria sinta-se atraída por livros assim, que te levam pra dentro do livro, tornando o leitor parte da história e a história parte do leitor!
 
Enfim...
 
A escrita é mesmo extraordinária, expondo agora os detalhes do bloqueio literário posso analisá-lo e dessa forma passar por ele e dar continuidade aos livros...
 
Nenhuma Palavra é em vão enquanto se escrever com o Coração!"
Licença Creative Commons
O trabalho Dilemas de uma Escritora! de Sabrina Joicy Santos foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://diariosdaalma.blogspot.com.br/.

Humor de Qualidade!

Loading...

Um Filme sobre a Verdade!

Loading...

Um Filme para expandir sua Visão

Loading...

Musicas para Sempre!

Loading...

Musicas que Tocam a Alma

Loading...

Músicas para Tocar o Coração

Loading...